Lançamento do novo livro de Arnaldo Mourthé – O Poder no Brasil


O poder no Brasil – Apresentação

 

            Nós vivemos momentos difíceis. Abate-e sobre nós problemas que pensávamos superados. Não que vivêssemos em um mundo de maravilhas. Pelo contrário. Os relatos deste livro sobre a história do poder no Brasil, nos mostram que nunca nos faltaram problemas, e sempre tivemos que superar muitas dificuldades. Mas era um processo de desenvolvimento social, que se assemelhava aos que víamos na história da humanidade. Pouco a pouco a sociedade avançava. Às vezes lentamente, mas em certas ocasiões havia mudanças significativas, como na vinda da família real portuguesa para o Brasil, a independência, o fim da escravatura, a proclamação da República, a Revolução de 30. Também tivemos em 1964 um grande retrocesso quando do golpe militar que instituiu uma ditadura e maculou algumas conquistas sociais. Depois foi o fim da ditadura, a Anistia, a nova Constituição.

Parecia que tudo havia sido colocado em seu devido lugar, mas não foi assim. O aventureirismo tomou conta do quadro político. Parecia que os políticos já não sabiam mais qual era o seu papel na sociedade, e tinham perdido o sentido da institucionalidade. Os princípios republicanos já não faziam parte da sua formação cultural. Eles haviam sido, na sua maioria, alienados pelo trabalho meticuloso dos ideólogos e marqueteiros da ditadura. As consequências disso ficam bastante claras na sequência dos artigos que se transformaram neste livro em capítulos.

Para evidenciar que a sociedade não havia evoluído no seu conceito de poder, a série de artigos referida foi intitulada Os novos barões do café. Eu buscava chamar a atenção do leitor para o fato que nossa política continuava sendo feita como nos tempos da República Velha, sob o domínio dos “barões do café”. Mas os tempos eram outros e os atores políticos no plano mundial também eram. Os novos barões do café adotam uma política muito mais nociva para o Brasil, que aquela dos velhos barões, porque submeteram o país aos interesses e às regras do poder do capital financeiro internacional, sediado na Wall Street. As consequências disso ficam claras na parte final deste livro que fala sobre a involução da chamada Nova República, que se formou após a queda da ditadura militar.

O grau de submissão do atual governo, de Michel Temer, fica evidente quando ele, alegando resolver um problema financeiro que nos vem submetendo desde o tempo da ditadura – mas que intensificou com o governo de Fernando Henrique Cardoso – nos impõe o remédio amargo do arrocho salarial, e da redução de direitos do trabalhador, para pagar juros de uma dívida pública feita sob o comando dos próprios bancos credores e que está levando o país à insolvência. Ao contrário de tratar da questão da dívida – esclarecendo sobre o que ela representa e como foi feita, seus desacertos e suas ilegalidades – para sanarmos o problema, ele agrava a crise que essa dívida criou, com uma política de proteção do credor e de demolição dos serviços públicos. O governo Temer está impedindo a solução dos problemas criados pela crise econômica mundial e pelos  governos irresponsáveis que tivemos nos últimos anos, para salvar os promotores dessa crise financeira, os investidores e bancos dos países mais capitalizados.

No decorrer deste livro o leitor verá o quadro onde tudo isso se desenrolou e terá informações sobre a grande crise que afeta a humanidade e que coloca o mundo diante de uma opção radical: submeter-se ao grande capital e escravizar a grande maioria da população, ou reagir rompendo os laços com esse sistema perverso construindo uma nova Sociedade, uma nova Civilização.

 

Comente você também

Name (necessário)

Email (não será exibido) (necessário)




10, outubro 2018 10:18

Porque o Xerife não pode ser presidente do Brasil

06, outubro 2018 13:59

Em defesa da vida e da dignidade humana

03, outubro 2018 11:07

Seu voto pode eleger seu inimigo!