Arquivos de abril, 2015

22, abril 2015 10:55
Por admin

O próximo lançamento da Editora Mourthé será no dia 20 de maio de 2014 na Livraria Cultura em Recife.

Livro: Oropa, França E Bahias…

Autor: Almeri Bezerra de Mello

 

 

 

APRESENTAÇÃO 

Oropa, França e Bahias…

A última volta que fiz por tão velhas plagas – faz pouco mais de um ano – me trouxe a memória de tantas pequenas histórias que só contei em parte para a minha família, amigos e companheiros. Eles já navegaram comigo “Para Além dos Verdes Mares” e são convidados agora a palmilhar de novo as “muitas ruas e vielas” do exílio, nesta nova coletânea de recordações.

Cismando e olhando o mundo todo que eu descortino do terraço da minha casa, na cidade alta de Olinda, pensei: será que exílio dá samba?

A pergunta eu a fiz em sonho, ao meu irmão poeta, cordelista e músico de muitos ritmos e instrumentos. A resposta foi pronta e intempestiva: “Dá sim!” Você não está lembrado do Crioulo da Mangueira, exilado por imposição dos militares da época, em Minas Gerais e mais precisamente em Diamantina?

Condenado por desconhecer a verdadeira história do Brasil. Que horror! Para se redimir, ele concebeu um “Samba do Exílio” que a crítica literária reacionária da época, batizou de ”Samba do Crioulo Doido” Batizou e, sem o querer, consagrou!

O que se sabia antes disto é que o exílio havia dado e daria ainda muitas canções,  na esteira das muitas que começaram com Gonçalves Dias – Canção do Exílio – seguido por Carlos Drummond – Europa França e Bahia, de Ascenso Ferreira – Oropa França e Bahia – e lá vai, passando por Murilo Mendes, Guilherme de Almeida, Alceu Valença, terminando até ontem, por Jô Soares, seguido por esta  minha Oropa , França e Bahias – de muitos sonhos e de muitas lembranças… que os anos não trazem mais, a não ser na forma deste memorial de papel.

No samba- enredo de 1970, da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, há este canto: “o dote que eles (o rei) me dava: Oropa, França e Bahia”. Pois eu ganhei esse dote, ampliado em muitas Bahias, que se agregaram a minha Europa e a minha França no Exilado e cidadão do mundo. O samba termina com este verso que justifica este livro; “É tempo de amar o que se amou” – gente, lugares, viveres…

Almeri Bezerra de Melo. Olinda, set. de 2014

O Autor:

ALMERI BEZERRA DE MELLO nasceu em 1927 em Escada/PE.

Exerceu diversas atividades em vários países.

- Professor Universitário e Assistente da Juventude Universitária Católica – JUC.

- Participante do Movimento de Educação de Base – MEB – e do Programa  Estadual de Alfabetização de Adultos (Método Paulo Freire)

- Secretário do SEC – Serviço de Extensão Cultural da Universidade do Recife.

- Assistente do Centro de Relações Interculturais de Cuernavaca – México.

- Diretor de programas de alfabetização de adultos na Argélia e na Angola.

- Administrador de programas da UNICEF em Angola e no Senegal e mais todos os Países da África Ocidental

Publicações:

Colaboração em jornais, revistas e livros, com estudos e artigos publicados no Brasil, Uruguai, Canadá, México, Itália, França, Alemanha e Inglaterra.

Alguns títulos:

- “Due Miliardi de Affamati.” Ed. Mondadori, Milão 1968.

- “ Cristentum und Revolution. In Diskussion zur Theologie der Revolution”.

Munique, Alemanha 1969.

- “Chi a paura di Camillo Torres?” Ed. Queriniana, Brescia 1969.

- “Fede Cristiana y contesta estudiantil.” Montevideo, Uruguai 1969.

- “Un sénégalais sur deux.” Dakar, Sénégal.

- “ Meninos e Delinquentes.” Recife, 1995.

- “Infrator, Infratores.” Ciela, Recife, 1995.

- “Para além dos verdes mares.”  Ed.Massangana.  Fundação Joaquim Nabuco. (2ª Ed. 2013)

- “Confissões de um avô.”  Ed. UFPE – Recife/PE 2010.

28, agosto 2017 14:28

Para aliviar a mente do caos

25, agosto 2017 13:45

Esculhambação geral

24, agosto 2017 14:19

Por que privatizar a Eletrobras?