A Lei e a Ordem – III


A Lei e a Ordem – III

As máscaras estão caindo

Arnaldo Mourthé

Nós vimos falando em mudança, em Lei e em Ordem. Isso porque há três naturezas de leis que temos a considerar, as leis do Homem, as da Natureza e as Espirituais. As dos Homens nos condicionam na nossa vida em sociedade. As da Natureza regulam nossas relações com ela própria. Entretanto, estas não dependem de nós, representam condições externas a nós e para aplicá-las devemos conhecê-las. Esse conhecimento pode ser empírico ou científico, mas é necessário. O filósofo inglês Francis Bacon, que conceituou o método experimental, dizia: A natureza só é comandada se é obedecida. Isto é, se quisermos usufruir da Natureza, além do que ela já oferece a todos, é preciso conhecer suas leis.

As leis Espirituais disciplinam toda a existência, incluindo as leis da Natureza. Elas regulam todas as relações do Universo, físicas ou espirituais. Entretanto, nós só as vemos como normas de disciplina do nosso comportamento, porque essa é a leitura que as religiões fazem delas. Elas vão muito atém disso, pois regulam tudo que existe, todo nosso Universo e outros universos. Para haver um Universo é preciso um ordenamento segundo leis imutáveis, envolvendo todas suas partes, pelo menos segundo o alcance de nossa inteligência limitada. Do contrário, seria o caos, o nada. Com a visão estreita das religiões, por mais sinceras que sejam elas, não podemos conceber a transição por que passa o Planeta Terra, da mesma forma que não se concebia que a Terra fosse esférica, e se transladava em torno do Sol, há pouco mais de 500 anos. Colombo penou para convencer o Rei de Portugal, que o recusou, e à Rainha Isabel da Espanha, que confiou nele e, assim, fez da Espanha o maior império da Terra por mais de um século. Defensor da Teoria de Copérnico, depois amplamente confirmada, o frei dominicano Giordano Bruno foi condenado por heresia e queimado vivo em Roma, em 1600.

Essas leis imutáveis regulam todo o Universo, a vida e as relações humanas, incluindo nossos sentimentos. Elas foram feitas para construir e fazer evoluir tudo que já foi e está sendo construído. Nelas não há espaço para a destruição, senão para a transformação do que existe para criar no seu lugar algo superior. A Lei de Lavoisier é um exemplo disso. Ela pode ser resumida na expressão: No mundo nada se cria e nada se perde, tudo se transforma.

Alguém pode contestar, dizendo: “Como isso é possível? Nós assistimos a destruição da Natureza e da vida humana nas guerras e nas disputas pessoais”. Acontece que essa destruição que vemos é feita por nós mesmos, apesar de sermos criados para construir, como seres criativos, enquadrados pelas leis Espirituais. E por que nem sempre o fazemos? Porque, para criar, é preciso do livre arbítrio. É esse atributo que nos permite ser criativos. Mas, ao aplicá-lo nós quase sempre erramos, porque estamos sempre investigando e a investigação acaba por destruir aquilo que é investigado. O texto acima, entretanto, parece contraditório. Fomos criados para construir, mas nossa ação destrói. Esse fenômeno é o da aprendizagem. Tudo que se aprende passa pelo fazer, e para isso é preciso conhecer as leis que permitem a criação. A destruição que vemos é apenas no plano material. No espiritual tudo se conserva ou mesmo tempo que evolui. A evolução se refere ao grau de vibração do ser, cada vez mais sutil.

A Lei da criação é a do Amor. Isso quer dizer, do respeito às leis espirituais e ao outro ser, humano ou não. Isso explica porque as doutrinas budista e cristã se assentam sobre o amor incondicional, que os católicos chamam de amor ao próximo. Toda a existência humana é voltada para sua evolução através do desenvolvimento de seu poder criativo, não de uma coisa qualquer, mas daquilo que favorece a vida e à sua evolução até que possamos chegar à perfeição existencial, enquanto espírito. Mas é difícil – podemos dizer impossível – compreender isso se acreditarmos nos dogmas que enquadram nossos pensamentos através de preceitos, ditos sagrados, mas que são apenas humanos, pois são demolidos sistematicamente pela evolução do conhecimento humano. Para admitir ser correto o que está escrito acima é preciso admitir, pelo menos, duas coisas basilares: a vida eterna do espírito, e a reencarnação como forma de obter experiência gradualmente para sua evolução. Não quero convencer ninguém de nada. Apenas julgo ser meu dever informar sobre o “Evento” que irá acontecer brevemente, no processo de nossa evolução que envolve todo o Planeta, que já saiu do espaço da 3ª. Vibração para o da 4ª. Vibração.

Tudo que venho dizendo de uns tempos para cá visa despertar as pessoas de um grande sono, produzido pelo estabelecimento na Terra de um modelo de sociedade que aliena e escraviza o ser humano. Entretanto, isso é apenas um alerta. A verificação de sua veracidade pode ser encontrada em mensagens espirituais. A Editora Mourthé vem publicando os livros Mensagens de Maria, que trata das Leis espirituais, contendo mensagens de pura ética. Eles são sete, quatro dos quais já editados e os outros em edição. Há muitas outras editoras que vêm fazendo isso há muito tempo, mas são discriminadas. Há dezenas, talvez centenas de mensagens no you tube que podem ser acessadas pela internet ou pela televisão. Quem quiser conferir o que está dito neste texto que o faça.

Já ocorreram, e continuam ocorrendo, grandes eventos relacionados à transição planetária. Muito se fala a respeito, mas a maioria das pessoas prefere não acreditar. Eles mexem com a condição de “conforto” que elas pensam que têm. Por isso a maioria delas não sabe que nosso Planeta já vibra na 4ª. Vibração. O mundo físico, o vegetal e o animal das florestas e águas já estão na nova vibração. A maioria da humanidade ainda não. Isso porque nós somos racionais e nossa razão está equivocada em relação à verdade desse fato e de muitos outros. Nós estamos submetidos a um bombardeio de falsidades para continuarmos em baixa vibração, o que permite a manutenção de uma ordem perversa que desconsidera o ser humano. Tudo isso eu venho revelando ao longo dos últimos vinte anos. Mas as pessoas fazem “ouvido de mercador” e ficam instaladas no seu falso conforto, porque desconfortável é o que ele é. A advertência está feita e minha obrigação cumprida. Agora é com vocês. Cada um por si e Deus por todos.

Mas falta uma questão, o grande EVENTO, que definirá tudo. Ele é um fluxo de Luz Violeta que envolverá todo o Planeta por um pequeno período. Ele elevará a consciência de todas as pessoas de boa vontade para a 4ª. Vibração, que já vigora na Terra, ou mesmo para a 5ª. Vibração, a da consciência plena. A partir daí todo esse arcabouço social, econômico e institucional se desmanchará, por exigência da nova consciência coletiva. Antes disso haverá uma brutal crise no sistema financeiro que liquidará com a farsa do dinheiro sem lastro e daquele falso, obtido fora da produção e originário principalmente dos juros da dívida pública e da agiotagem. A limpeza do sistema institucional já começou com o combate contra a corrupção e contra as leis fraudulentas nocivas aos interesses da população e da Nação. Não se trata de julgar pessoas, mas de combater suas condutas nefastas ao processo evolutivo da humanidade.

Esse processo, naturalmente, não é tranquilo. As reações daqueles que querem manter a velha ordem, ou torná-la mais cruel com a “Nova Ordem Mundial”, produzem conflitos por toda parte: políticos, sociais, institucionais e até entre países, com graves questões diplomáticas, ameaças bélicas e até guerras. Vejam o que ocorre no Brasil através das ações nefastas de seu governo impostor, e dos conflitos dos EUA com a Coreia e com a Venezuela, e ainda a guerra da Síria, essa com o apoio de seus aliados da OTAN. Todas essas questões e muitas outras são consequências da inadequação dos valores da Nova Era da 4ª. Vibração com a baixa vibração   relativa ao comportamento perverso inerente ao sistema que vem imperando no Mundo há alguns séculos.

Diante de tudo isso, uma questão fica clara: há um desmantelamento da sociedade que regula nossas vidas e suas manifestações nos setores da economia, da política e das instituições. Essas não são questões que possam ser resolvidas com essa ou aquela pessoa no poder, independente de quem seja, enquanto cidadão ou como portador de uma ideologia. É preciso esclarecer que tipo de sociedade nós precisamos criar para as novas condições de consciência da nossa população. Pois já há um despertar de consciência que se transformará em uma explosão de consciência com o Evento.

Nesse sentido eu editei um livro que aborda essa questão: MAMIFESTO – Por uma Sociedade de Paz e Fraternidade. Ele conclama as pessoas a pensar uma alternativa a tudo isso que está aí. Não se trata de especulação, mas de conclusões que podemos chegar a partir das experiências da Humanidade relatadas na nossa história. Especialmente as recomendações que nos deixaram os grandes pensadores e líderes religiosos da antiguidade e dos mais recentes, através da filosofia e das lutas sociais que buscaram resgatar a dignidade humana, especialmente as legendas adotadas pela Revolução Francesa: Liberdade, Igualdade, Fraternidade.

Não podemos dizer que fomos surpreendidos com os eventos que estamos assistindo. Há dois mil anos Jesus de Nazaré, disse: Amai uns aos outros como vos amei, e Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. A limpeza que se opera, não apenas no Brasil, como no mundo, pode ser entendida através da expressão bíblica: A separação do joio do trigo.

Que assim seja, e será.

Rio de Janeiro, 14/4/2018.

Comente você também

Name (necessário)

Email (não será exibido) (necessário)




10, outubro 2018 10:18

Porque o Xerife não pode ser presidente do Brasil

06, outubro 2018 13:59

Em defesa da vida e da dignidade humana

03, outubro 2018 11:07

Seu voto pode eleger seu inimigo!